AVISO

A nova política de uso do Google me fodeu legal, agradeçam a ele quando virem o que aconteceu com os posts antigos.

Abrindo o coração

Estou numa situação que se extende há pouco mais de 1 ano.

Quando me formei no curso técnico em radiologia achava que iria arranjar emprego com facilidade. Ledo engano. Acho que foi por causa da minha família, que me fez entender que seria mais fácil me empregar nessa área, já saturada de profissionais medíocres, que aceitei o rojão.

Se meu desgosto por estudar não fosse tão grande com toda a certeza não estaria aqui. Minha vida toda vi pessoas se matando de estudar ou trabalhar para conseguir uma renda fixa, e mínima, no final do mês. Renda esta que era usada para combater o estresse acumulado após tanto esforço. Ou não.

Algumas pessoas gostam de trabalhar. Outras de estudar. Eu gosto de me divertir.

Mesmo sem trabalho ou renda tento fazer com que minha vida seja melhor. Sei que sou chamado de vagabundo peças costas, mas sou feliz.

Estive num grupo de D&D, que conheci em julho de 2008. Eram pessoas estranhas e hostis comigo, e em 1 mês já estava em outro grupo, com relações mais próximas de amizade. Não duraram muito.
Em novembro de 2008 conheci o RPG Maker. Achei incrivel a ideia de poder fazer meus próprios jogos. Era uma coisa que estava precisando a muito tempo, já que desde pequeno brincava de estar jogando. Coisa de criança que aprendeu a jogar cedo.

Não tenho amigos. Pelo menos não considero ninguém como amigo. Minha visão de amigo é mais romantizada: aquela pessoa que sempre te apoia e te ajuda em qualquer hora. Mesmo assim penso que sou sortudo em ter conhecido tantas pessoas diferentes por essa minha vida.

Tenho aqui uma pequena lista de coisas que ainda devo fazer:
-Terminar um jogo no RPG Maker
-Terminar meu cenário, que vai aparecer no próximo episodio
-Voltar a jogar RPG de mesa
-Conhecer pessoas novas
-Continuar com o blog e o podcast, talvez até fazer dinheiro com isso
-Ficar longe dos dois grupos de D&D que estive
-Comprar um PS4, um DSi e um PSP

Nossa, insônia te faz pensar em coisas doidas...

Atmocast #1




Agora sim! Episódio novo na área!

Saiba um pouco mais sobre Wonderland Online e o que eu acho de passar quase 10 horas jogando isso.
Descubra se vale a pena se embrenhar em jogos na fase beta e responda a essa pergunta nos comentários: tamanho do client é documento?

OD&D

Este imenso texto é muito útil pra vcs que querem saber como era jogar em 1980.

Introdução ao Estilo de Jogo do D&D Original ou “Como jogar com poucas regras/muitas opções”

(texto traduzido por Rafael Beltrame do original de Michael “Chgowiz” S., com autorização)

Dicas para os Jogadores
1) Pense Taticamente- Veja a área inteira que foi mapeada como o campo de batalha; não planeje atacar monstros numa única sala. Eles podem tentar flanquear você através dos corredores. Pense onde o grupo pode recuar para uma posição defensiva segura.
2) Pense Furtivamente- Patrulhe à frente, e tente evitar monstros errantes que não carregam muito tesouro. Você esta na dungeon para encontrar covis cheios de tesouros. Tentar matar todo monstro que você encontrar irá enfraquecer o grupo antes de chegar nos monstros com mais riquezas.
3) Pense Cautelosamente- Não presuma que você possa derrotar qualquer monstro que encontrar.
4) Migalhas de Pão! –Tenha algum tipo de mapa, mesmo que apenas um rascunho. Se ficar perdido, pode acabar num sério problema – especialmente numa dungeon onde jogadas de monstros errantes são freqüentes.
5) Pense Curiosamente- Faça muitas perguntas sobre o que você vê. Olhe pra cima. Pergunte sobre trabalhos em pedra incomuns. Teste o chão antes de pisar.
6) Pense Magicamente- Proteja o mago. Ele é seu “ataque em massa”.
7) Pense em Números- Contrate algumas “buchas de canhão”. Não deixe que as buchas lhe vejam como uma fonte fraca de tesouros.
8) Pense Sobre Poder de Fogo- Lanças normalmente podem alcançar além de sua primeira fileira de guerreiros, então uma falange de empregados funciona bem.
9) Pergunte a todos- Fale com o cara grisalho de um braço na taverna antes de cada incursão; ele pode ter lembrado repentinamente de mais detalhes sobre a área.

Quatro Momentos Zen do Jogo Old School

Primeiro Momento Zen: Avalie, Não Arbitre- Os jogadores podem descrever qualquer ação sem precisar olhar para a ficha de personagem para ver se “podem” fazê-la. O Mestre, por sua vez, usa o senso comum para decidir o que acontece ou joga um dado se ele acha que existem alguns elementos aleatórios envolvidos, e então o jogo continua.

Segundo Momento Zen: Perícia do Jogador, Não do Personagem- O D&D Original e o Swords & Wizardry, por exemplo, são jogos de perícias em poucas áreas, quando jogos modernos apenas dependem da ficha de personagem. No jogo old school, vocês está sempre fazendo perguntas, falando ao Mestre exatamente onde seu personagem esta olhando e experimentando. Jogadas de dado são muito menos freqüentes do que em jogos modernos.
Você não tem perícias e jogadas de dado para tudo que quer fazer. Você tem que dizer ao Mestre onde está procurando por armadilhas e que botões está apertando. Você tem que contar ao Mestre a lorota que esta tentando passar no guarda da cidade.

Terceiro Momento Zen: Herói, não Super Herói- Jogos no estilo old school tem uma “escala humana” e não uma escala de “super heróica”. No primeiro nível, os aventureiros são um pouco mais capazes do que uma pessoa comum. Eles vivem pela astúcia. Para fazer uma analogia com os quadrinhos, os personagens não se tornam o Super-Homem; eles se tornam o Batman. E eles não começam como Batman – Batman é o ápice. O jogo old school é sobre o triunfo do cara pequenino em herói épico, não o desenvolvimento de um herói épico em um ser sobre-humano.

Quarto Momento Zen: Esqueça “Equilíbrio de Jogo”- A campanha old school é um mundo de fantasia, com toso os seus riscos, contradições e surpresas: na é um “sistema de jogo” que de alguma forma sempre produz desafios de proporções iguais ao nível de experiência do grupo. É mais como uma história com dados: os jogadores descrevem suas ações, o Mestre descreve os resultados, e a história dos personagens, épica ou desastrosa, cresce dos esforços combinados de jogadores e Mestre. O Mestre ficará tão surpreso com os resultados quanto os jogadores ficarão. Assim como os jogadores não têm o direito de dependerem de uma regra no livro, o Mestre não tem o direito de dizer ao jogador o que seu personagem decide fazer. Esta é uma decisão do jogador (a menos que exista alguma magia envolvida).

E o Momento Zen final e mais importante: Jogue e Divirta-se!

Japão quer censurar pedofilia

Acho que é uma decisão tardia.

Se vc procurar bem, vai descobrir VÁRIAS obras que tem esse mau gosto, no mínimo repugnantes, que mostram crianças com menos de 8 anos sendo estupradas. Lembro que já vi uma imagem em que um doente segurava um BEBÊ recem nascido. Porque eu não sei e nem quero saber.

De toda forma só o tempo dirá...

Fonte

Hierarquia Imperial



Então pessoal!

Cidades Imperiais. Esse vai ser o nome da classificação das cidades que foram criadas com a mesma planta. Elas também são feitas do mesmo material, o Crioserilo (basicamente Ferro Frio energizado magicamente).

Essas cidades também possuem uma característica única, que é a tecnologia impregnada em quase tudo. Por exemplo: a porta do seu apartemento não vai ser uma simples porta de madeira que abre para dentro e sim uma dupla placa de Crioserilo (parece com metal cinza escuro) que se divide "entrando" na parede. Vai ser mais fácil de explicar no RPG Maker.
A porta parece uma folha única, quando abre vai metade pra cima e metade pra baixo.
As luzes dos postes ligam sozinhas, dependendo da hora do dia.

Entre outras coisas, elas suportam até 1 milhão de pessoas. Não tem espaço para mendigos ou sem-tetos, já que o espaço é limitado.

Cidades Hieráquicas

Então pessoal!

Estava eu pensando num nome interessante para dar as cidades de meu cenário.
Cidades hierárquicas são cidades criadas do mesmo jeito. Ou seja, vc sempre vai encontrar as padarias no mesmo lugar, não importa que cidade seja.

Posso estar um pouco confuso. Se não entender, comente!

O próximo Atmocast vai sair semana que vem!

Fight & Fantasy



As 9 classes estão quase prontas, mas ainda faltam as habilidades EX.

O cenário vai ser bem pequeno com um continente. Com o tempo vou adicionar o resto dos lugares.

Wonderland Online

Bem, joguei durante um tempo e posso dizer que é diferente do que conhecia.

O tema do jogo é a sobrevivência numa ilha distante e cheia de magia.
Muitos dos NPCs que vc encontra são nativos do lugar, mas outros não sabem como foram parar lá, assim como seu personagem.
Várias imagens ilustram certas cenas, como quando vc encontra o Monkey (que fica com uma cara de choro) e a Niss (que eu achava que falava alemão, mas me enganei).

Uma coisa de doido esse jogo.

Wonderland Online



Então pessoal!

Estava eu a navegar pela net procurando mais um assunto interessante pra vcs, quando me deparo com esse diferente MMO: Wonderland Online!

Os gráficos são um tanto estranhos, até pra mim que era viciado em Tibia e Ragnarok Online.
O sistema de batalha é o que mais me chamou a atenção, já que seu personagem é enviado para uma tela de batalha, aonde escolhe ações (como ataque, magias e afins) bem Final Fantasy.

Uma boa pedida, já que o download tem 550mb aproximadamente. Vou testa-lo em breve.

Sobre Fight & Fantasy

Novidades sobre o cenário que vai melhorar seu humor por um bom tempo!

Estou fazendo progresso de forma rápida, e fica até divertido imaginar as possibilidades que poderão existir.

Acho que no final de Abril vou ter alguma coisa pronta.

Tales of Fantasy


Então pessoal!

Trago para vcs um jogo online com grandes chances de ser reconhecido mundialmente.
Falo de Tales of Fantasy, que lembra vagamente Perfect World (argh), que é outro mmorpg conhecido do publico.

Clique na img pra ver o site. O jogo ainda está na fase closed beta, mas seus 1,5gb podem ser baixados por qualquer pessoa.

Uma pena que ainda precisa de códigos de ativação... que são comprados com dinheiro real...

Ficha de exemplo pro Nexus e mais


















Aqui vão umas img de cosplays muito legais. Valem a pena uma olhada.

História de Blazblue



Então pessoal!

Eu acho que consegui entender um pouco sobre o plot de Blazblue: Calamity Trigger.
O jogo se passa num time loop, ou seja, ciclo temporal.
Alguns personagens sempre acabam voltando para o ano 2099, sendo que o jogo acontece em 2199. Esses personagens que voltam no tempo são Ragna, Noel ou Nu-13 e Jin.
É necessário que Ragna e Noel ou Nu-13 façam a viagem, porque no percursso eles irão se fundir, criando a Black Beast, que apareceu "do nada" em 2099 e exterminou metade da população do planeta. Jin é guiado por Rachel a tentar matar Ragna na nova realidade para tentar evitar o aparecimento da próxima Black Beast.
Rachel, a garota gótica, é uma vampira que pode viajar pelas dimensões usando um método diferente. O mais incrível é que só existe UMA Rachel em todas as realidades!
Pior ainda, já que ela presencia todos esses eventos toda vez que o tempo reseta seria óbvio que ela fosse bem velha. A idade da infeliz passa dos 72500 anos!!!!
(ou seja, ela é de maior...)

É bem enrolada a história, e olha que esse spoiler é bem pesado, já que ele explica metade do que acontece. Mas não tira a graça do resto do mundo, que é bem legal.

Blazblue

Veja a intro.

Então pessoal!

Parece que descobri um fertil terreno para jogos de RPG, que é o mundo de Blazblue: Calamity Trigger, jogo de luta para PS3 e Xbox 360 (num tenho nenhum dos dois T.T).

Vou desvendar o plot da história e postarei o que entendi em breve.
( Armagus )
Fusions of magic and technology.

( Ars Magus )
Magic. A spell is called an Ars.



Veja os "especiais".

CthulhuTech

Então pessoal!
Esse livro é bem diferente, já que ele usa o Storytelling como sistema (que eu acho ser um update pro Storyteller) e foge completamente do meu setor de atuação.
Porém, o cenário é uma coisa muito bem explorada, que é a junção dos mythos de Cthulhu (aquele bicho medonho preso num lugar bem longe daqui que anseia a oportunidade de detonar com todos nós) com a ficção científica amplamente explorada em Evangelion (robôs gigantes que, na verdade, são clones gigantes da menina de cabelo azul, que por sua vez, é clone da mãe daquele pivete chato que num come ninguém XP).
A cronologia segue um padrão preciso e interessante, que explica desde o surgimento de tecnologias mais avançadas até a invasão dos Mi-Gou (favor não confundir com Miguxos), que são seres antigos, quase tão antigos quanto a galáxia. Acho.
Se você não gosta deste tipo de cenário com toda a certeza vai se maravilhar com a arte do livro, que é uma coisa de outro mundo (tendeu a piadinha?)!
As cores (não se confunda com essas cores) são poucas e fortes, o que deixa o clima mais maduro. Toda a humanidade teve que se readaptar com as descobertas do mundo oculto, que inclui os aliens e os feitiços (o chato é que não tem nenhum feitiço de dano direto, nem um voodo).
O leitor com certeza ficará confuso se ele se apoiar apenas nos fatos descritos no rulebook. Mas se a curiosidade for maior, ele poderá desvendar alguns dos vários mistérios lendo o suplemento Damnation View, que conta o começo desse cenário.
Não vou dar spoiler sobre o conteúdo do Damnation View. Se for um Narrador, tudo bem. Mas se for um jogador, aviso logo que vai ficar boiando. Ou não.

Enfim, um ótimo cenário, com uma arte incrível e história de quebrar cabeças.

Confrontos Espaciais


Nossa imaginação alça voo quando nos lembramos que o espaço é um lugar quase infinito, cheio de planetas com alguma possibilidade de vida.
E quando pensamos num modo de chegar nestes planetas, ai sim que a coisa enlouquece.

Mas o lado ruim disso tudo é a limitada quantidade de livros disponíveis para os brasileiros.
Ou para quem não quer pagar por algo que tem grande chance de ficar enfurnado num canto.

Por isso, eu decidi que colocaria algo sobre naves e batalhas espaciais no cenário Fight & Fantasy, que estou criando com o sistema Nexus 2.5.
Alguns modelos de testes serão liberados com o tempo, aqui no blog, e espero que comentem sobre eles. Nem que seja uma crítica desconstrutiva.



Usando o Taulukko


Caso vc não saiba usar o Taulukko, clique aqui.

Esse link vai te levar para o blog Trampolim RPG, que também fala sobre RPG (dããããã).

Minha campanha lá se chama Atmoland. Procure!

Gracinhas








Já tive vontade de fazer isso...


















Essas caretinhas enfeitiçam... (não passei no teste de Vontade)

Recruta-se coba---voluntários!

Então pessoal!

Estou aqui para ver quem se interessou pelo sistema Nexus 2.5.

Tenho em mente um cenário e preciso de pessoas dispostas a jogar.

Interessados, usem os comentários.

Lembrando que pretendo usar o Taulukko para gerenciamento das sessões de jogo.

Mais sobre Nexus

Olá pessoal!
Quero falar um pouco mais do Nexus 2.5, mas, eu acho melhor que o autor diga isso por si mesmo.
Vou transcrever uma parte do texto da introdução (leia-se CTRL-C CTRL-V)...

Nossa proposta com o NEXUS é, através de um conjunto de regras simples, fazer com que você e seus amigos possam conhecer a emoção de jogar RPG. Por esse motivo, nosso sistema não busca ser realista ou dramático e sim divertido. Com o tempo, você irá conhecer outros sistemas e pode agradar-se de algum deles, ou pode continuar usando este livro. O importante é que você jogue, porque o mais importante num jogo de RPG é a diversão e a interpretação de papéis, não as regras. Procuramos simplificar o jogo ao máximo de forma que, se conhecer as regras, você pode escrever as informações de seu
Personagem em um papel em branco rapidamente. Colocamos uma Ficha de Personagem na última página deste livro para que você possa tirar cópias (não risque esta Ficha), mas você pode jogar sem ela. Outra coisa importante em um jogo de RPG são os dados.
Na maioria dos sistemas (nome dado ao conjunto de regras próprias para jogar RPG) é exigido que o jogador possua dados multifacetados (com 8, 10, 12 faces, etc.). Alguém que esteja começando a jogar não possui estes dados, e teria que comprar para começar a jogar. As regras deste livro exigem apenas do dado de 6 lados (chamado de “D6”), facilmente
encontrado em jogos comuns. Além da ficha e dos dados, você precisará deste livro, lápis e borracha. Não anote as informações de caneta, pois muitos eventos podem mudar as características de seu Personagem durante a aventura. Mantenha também sempre alguns papéis em branco para que possam ser feitas anotações e desenhos durante o jogo.

Uma pena que quero usar robôs, mas não existem regras sobre eles em Nexus...
Talvez eu faça alguma coisa. Ou não.

Baixe aqui!

Fight & Fantasy




Olá pessoal!

Faz um tempo que comecei a mexer o RPG Maker 2003, e faz muito mais tempo que conheço o RPG de mesa.
Depois de muito tempo me desiludindo com jogos e cenários chatos e/ou repetitivos decidi que iria fazer o meu próprio mundo!

Comecei observando todos os pontos que eu gostava, e deixava de lado todos os pontos que não gostava.
Após fuçar vários livros, sistemas e jogos em geral percebi que o meu gênero preferido é o Tecno Fantasy.
Um exemplo mais claro desse gênero é Final Fantasy, com suas Airships dominando os céus, combates épicos ocorrendo em segredo do resto do mundo, com magias e criaturas fantásticas e pessoas comuns preocupando-se com suas chatas vidas medievais.

Claro que o meu modo de ver tudo isso é bem diferente, e esse que é o maior problema.
Como passar meu ponto de vista para outras pessoas? A resposta é mais simples do que parece: um jogo de RPG Maker 2003 e um cenário de RPG, usando o incrível Nexus 2.5.

Em questão de alguns meses vou publicar essas obras para o mundo. Tendo sucesso ou não, terei alcançado um objetivo.

O poder do Mestre

Esse link é sobre um assunto que pode acontecer a qualquer um, seja jogador ou não.

Outro título seria: Quando o chefe não pensa.

Estréia

08/03/2010

O dia do nascimento do meu blog.

Rapaz, sempre achei blogs uma péssima ideia, mas não pude deixar de tentar. E não é que é divertido postar variedades para ninguém?