AVISO

A nova política de uso do Google me fodeu legal, agradeçam a ele quando virem o que aconteceu com os posts antigos.

A verdade Definitiva sobre Ayrton Senna da Silva (ou não, né?)

A verdade Definitiva sobre Ayrton Senna da Silva (ou não, né?): "Atenção haters, esse blog não é uma democracia. Eu vou selecionar os comentários.

1º - Se você quiser discutir F1 comigo, tem que ter nascido na década de 70. Não valem argumentos que você ouviu do seu pai;
2º - Aceito ironia, aceito piada, mas não aceito xingamentos sem noção;
3º - Gosto quando as pessoas me corrigem e gosto ainda mais quando discordam de mim, mas por favor, baseiem-se em fatos e não em simples paixão.


Que o Ayrton Senna foi um piloto de F1 brilhante, isso ninguém pode negar. Nem o mais adorador de Schumacker e nem o mais fã de Piquet podem questionar em uma discussão no mínimo razoável. Que ele foi um piloto vitorioso então? Não é questão de opinião e sim um fato! Mas se ele foi o melhor, ou se ele foi um “cara supimpa”, aí é outra história. Que, diga-se de passagem, dá muito o que falar.

Creio estar mexendo numa colméia repleta de abelhas africanas ao escrever sobre o “mito” coisas que a imprensa e a opinião pública jamais ousaram falar, com medo de deixar de ganhar rios de dinheiro. Sim, porque o mito construído de Ayrton Senna dava Ibope, vendia jornal, vendia revista, vendia boné do Banco Nacional!!! Enfim, vamos ao que interessa.

Senna ganhou um Kart aos 4 anos de idade, mas começou sua carreira oficialmente aos 13. Se sentia frustrado por nunca ter vencido o campeonato mundial dessa categoria. Foi vice mundial duas vezes (79 e 80). Bom, mas todo mundo sabe, vice é o primeiro perdedor! Mas para não ser cruel, foi várias vezes campeão brasileiro e até sul-americano.

Depois sua carreira deslanchou. Foi campeão da Fórmula Ford 1600 em 1981, campeão da Fórmula Ford 2000 em 1982 e da F3 em 1983. Nesse último, seu maior rival era o “fenômeno” Martin Brundle, que mais tarde teria uma carreira medíocre na F1.

A chegada à F1 já foi controversa e, ao contrário do que se diz por aí, Nelson Piquet, que já era campeão mundial de F1 na época, não se opôs à contratação de Senna pela Brabham. O que aconteceu na realidade é que Senna queria que Piquet usasse sua influência para garantir sua contratação pela equipe, mas Piquet não moveu uma palha para ajudá-lo, pois sabia que a patrocinadora da equipe (Parmalat) queria um piloto Italiano. Senna, a partir daí, passou a odiar Piquet e a tratá-lo como inimigo.

Preterido pela Brabham, Senna foi parar na Toleman, uma equipe meia boca do caralho. Já no seu segundo GP, o piloto fez seu primeiro ponto. Mas foi no GP de Mônaco que ele chamou atenção do mundo, pois com o carro merda da Toleman, largou em 13º e chegou em segundo. Aliás, chegou em segundo porque os juízes de prova encerraram a corrida antes que ele ultrapassasse o líder Alain Prost. Eu me lembro dessa corrida. Senna tava com o demônio e foi injustiça ele não ter ganhado!

Senna foi contratado pela Lotus no ano seguinte. A Lotus, que tinha aquele carro irado da John Player Special, era ótima para classificação e péssima para corrida. Senna vivia batendo a pole position e vivia abandonando as corridas. Isso porque era um porra louca e não entendia que um campeonato se ganha juntando pontos. Ele queria ganhar todas as corridas, como um menino mimado que sempre quer pular e encostar no céu. No final das contas, venceu apenas 2 vezes e ficou em quarto lugar no campeonato.

Em 1986 ele vetou a contratação de Derek Warwick. Olha aí o rapaz botando as manguinhas de fora. Não queria outro piloto de ponta na equipe. Foi nesse ano também que rolou uma das mais sensacionais chegadas da F1, quando Senna bateu Mansell na chegada por petelhésimos de segundo. Foi também nesse ano que Nelson Piquet deu uma aula de pilotagem ao recém chegado, efetuando o que dizem ser a mais incrível ultrapassagem da história da F1 e que vocês podem ter o prazer de visualizar abaixo:



Ta certo, a Willians era muito superior à Lotus, mas fazer o que o Piquet fez é coisa de gênio.

No ano seguinte a Lotus troca de cigarro, ops, de patrocínio (vira amarela com as cores da Camel) e ganha o motor Honda (que era a foca da Willians) e uma inovadora suspensão ativa. Nesse ano Piquet bateu o companheiro de equipe Mansell e sagrou-se campeão mundial de 1987. Senna ficou foi vice, mas a FIA descobriu uma malandragem de fazer inveja ao Fernando Vigarista Alonso. Os dutos de frenagem da Lotus eram mais largos que o permitido, o que lhe dava uma vantagem óbvia. Penalizado, caiu para terceiro lugar!

Finalmente, em 1988, Senna estava onde queria, na McLaren. Uma equipe de ponta onde ele não teria que tirar leite de pedra. E o melhor, levara com ele o motor Honda. E mais ainda, seu principal rival (dentro e fora das pistas), Nelson Piquet tinha se enchido dos favorecimentos da Willians para Mansell e foi parar na merda da Lotus Amarela.

Nesse ano, a McLaren era imbatível e Senna só tinha que se preocupar com o companheiro de equipe, Alain Prost. Os dois venceram 15 das 16 corridas desse campeonato. Mas, Senna gostava de colecionar inimigos e por conta de sua “competitividade” passou a tratar o francês como inimigo pessoal.

Já em 1989, o campeonato foi um pouco mais equilibrado, já que a McLaren já não era tão soberana. Senna e Prost venceram juntos “apenas” 10 das 16 corridas. Estava claro que a equipe ainda era a mais competente. Esse foi o ano em que Prost venceu seu terceiro campeonato mundial. Aliás, o campeonato foi decidido no último GP (Japão), com um acidente entre Prost e Senna. Os dois trocaram acusações, culpando um ao outro pelo episódio. A imprensa inglesa especializada afirma que a culpa foi de Senna, mas Galvão Bueno, foi taxativo: disse que não, a culpa foi do francês! Vejam o vídeo abaixo e tirem suas próprias conclusões:



Notem que Senna seguiu reto na chicane e Prost fez a tangência por cima dele. Além disso, por causa do acidente, a FIA negou a super-licença ao Brasileiro para

1990, mas a McLaren consegue “mover seus pauzinhos” e revogar a negativa.
Na temporada de 1990 a história muda um pouco, mas ao mesmo tempo se repete. Prost, cansado do “mimo” de Senna, se transfere para a Ferrari. Mas a superioridade da McLaren continua, só que dessa vez só tem um piloto: Senna. O outro era Gerhard Berger, que era uma espécie de Rubens Barrichello da época. E as disputas entre Senna e Prost continuam. E temos mais um campeonato decidido com acidente no Japão. Nesse ano não houve dúvidas. Ayrton Senna causou deliberadamente o acidente e foi campeão. No Brasil os fãs fizeram vistas grossas e disseram que foi o troco. No exterior Senna foi responsabilizado pela manobra desleal. Mas Senna se igualara ao Emerson Fittipaldi, com 2 campeonatos mundiais.

Veja o vídeo do incidente:



O cara-de-pau não teve nem peito de olhar para o adversário. A sorte dele é que o Prost era um gnomo. Se fosse o Nelson Piquet ele tinha morrido antes da Tamburello.

Veja esse vídeo e me diz se é mentira:



Em 1991 Senna se iguala ao tricampeão mundial Nelson Piquet, batendo a Willians de Nigel Mansell, que começava a despontar como promessa de um supercarro novamente. Veja, a McLaren ainda era melhor, mas não tinha mais a superioridade de outrora!

Nos anos que viriam o que se viu foi um Ayrton Senna impotente frente à superioridade da Willians FW14B de Nigel Mansell. Senna pensou até em correr F1, porque mimado como era, só queria guiar o melhor carro. Nesse ano, o Alemão Michael Schumacker, em sua modesta Benetton toda colorida, arrancou o terceiro lugar no campeonato de Senna na última corrida. E isso sem precisar causar nenhum acidente!

Na temporada de 1993, o professor Alain Prost foi à forra e venceu seu quarto campeonato, dirigindo uma Willians sensacional. Ayrton Senna bem que tentou, mas ficou em segundo lugar na pontuação final.

Em 1994, a maioria já sabe o que aconteceu. De tanto chorar, Senna conseguiu ir para a Willians, no lugar de Prost, que preferiu se aposentar a ter que aturar o desafeto durante um ano. Ele estava equipe que desejava e ia pilotar o carro que desejava já há dois anos. Mas um velho cigano disse: Cuidado com o que você deseja! E apesar de ter tudo como queria, o brasileiro fracassou nas duas primeiras provas, ganhas por Schummy. Ao contrário do que prega Galvão Bueno, antes do GP de Imola, Senna não estava preocupado com o carro, ou tendo uma premonição de que sofreria um acidente. Ele estava preocupado e P da vida porque estava dirigindo a tão sonhada Willians e ainda assim, estava 20 pontos atrás do alemão. E foi no fatídico dia 1º de maio de 1994 que aos 34 anos, Ayrton Senna porrou o muro da curva Tamburello e morreu.

Esse é um resumão da história do piloto. O que eu acho sobre ele? Vamos lá:

Ele só foi campeão quando tinha o melhor carro. Teve mérito nos três campeonatos porque disputou com um gênio (Alan Prost), mas é fato que quando o carro não ajudou ele não conseguiu se sair bem. Um dos campeonatos ele venceu porque foi desleal. Era intragável e a maioria dos pilotos, apesar de admirarem sua técnica, o achavam insuportável. Era mimado e manhoso e vivia reclamando de tudo. Sua maior qualidade era ser extremamente arrojado e muitíssimo competitivo. Esse também era seu maior defeito, porque na ânsia de sempre vencer, fundia motores, errava e se descontrolava. Era um paranóico por vitórias e não sabia perder. Muito da fama dele se deve ao temperamento de Nelson Piquet. Explico: Piquet esnobava a Rede Globo e a imprensa em geral. F1 para ele era diversão e ele cagava na cabeça da mídia. Isso fez com que a imprensa não desse a ele o devido valor. Quando apareceu Senna, a Globo pirou e viu ali uma chance única! Transformou ele em herói e com isso elevou exorbitantemente seus níveis de audiência. Senna era excelente piloto? Era! Mas Piquet fez o mesmo e Emerson Fittpaldi fez mais pelo Brasil!

MIKAEL SCHUMACKER

Foi campeão sete vezes (quatro a mais do que Senna). Foi campeão com a Benneton (1994), que não era o melhor carro (a Willians foi campeã do campeonato de construtores) Venceu mais, teve mais pole positions, fez mais voltas mais rápidas, conquistou mais pontos e foi o único piloto da história da F1 a terminar uma temporada indo para o pódio em todas as corridas. Ganhou as três primeiras corridas contra Senna em 1994. É detentor de todos os recordes da F1, a exceção do número de GPs disputados, que é o recorde do Rubens Barrichello e não vale absolutamente porra nenhuma! Para os que o chamam de Dick Vigarista, Senna foi tão trapaceiro quanto ele.

ALAIN PROST


Foi campeão mundial quarto vezes (uma vez a mais que Senna). Foi campeão pela McLaren quando a McLaren era muito inferior às Willians (86). Sabia que ganhar corridas não era tudo. Somar pontos era importante. Era cerebral e por isso chamaram-no de Professor. Foi campeão numa época muito mais competitiva do que a de Senna, no auge de Piquet, Nikki Lauda, Keke Rosberg, Allan Jones, Michelle Alboreto, entre outros.

EMERSON FITTIPALDI


O único que não vi correr, mas com certeza o mais relevante dos brasileiros. Fez muito mais do que Senna pelo Brasil. Entrou no seleto clube de pilotos campeões da F1 quando nenhum brasileiro tinha feito. Foi duas vezes campeão mundial (um a menos que Senna) correndo contra lendas como Jackie Stewart, Niki Lauda, Jody Scheckter. Fez uma equipe de F1 totalmente brasileira, que era uma merda, mas era nossa!

NELSON PIQUET


Finalmente, meu piloto preferido. Ganhou 3 mundiais (igual ao Senna), mas um deles em especial foi foda. Em 1981 as Willians eram imensamente superiores à Brabham, mas Piquet venceu o argentino marrento (parece um pleonasmo?) Carlos Reuttemann e o inglês campeão e lenda Alan Jones. Foi campeão contra Mansell e Prost jovens e contra Niki Lauda e Keke Rosberg, que eram gênios em uma época em que o esporte dependia muito mais do braço do piloto do que dos aparatos tecnológicos. Começou a correr de Kart com 14 anos (tardiamente) escondido do pai. Era um piloto excelente, mas um desenvolvedor de carros primoroso. Se Senna era o rei de Monaco, por suas vitórias, Nelson Piquet comeu a princesa de Monaco. Se o Senna era o queridinho da Globo, Piquet esculachava o Galvão Bueno. Se o Senna conseguiu vencer perdendo várias marchas durante a corrida, Piquet venceu mandando retirar as marchas 1 e 2 antes da corrida para o carro ficar mais leve. E, por último, mas não menos importante, Nelson Piquet sobreviveu a um acidente na curva Tamburello e Senna não.

Bonus Track - Vídeo da reunião de pilotos. Senna chega atrasado, todo marrento e fica de mimimi. Piquet da uma ownada nele e ele sai fazendo mimimi!

http://feeds.feedburner.com/cancerJack
"

Photo

Photo: "

"
Japão é isso ai!

Alchemia RPG: Download do Guia de Regras 1.4!

Alchemia RPG: Download do Guia de Regras 1.4!: "Olá Aventureiros!!!

Confira em primeira mão o Download do Guia de Regras 1.4 para Alchemia RPG. Isso mesmo, faça o Download já e confira as mudanças desta versão (que não são muitas mas elas vieram pra ficar)



O Guia de Regras 1.4 contém:

- Adicionamos um novo atributo: O Carisma.
- As especialidades deixam de ser como são e passam a ser perícias, onde se precisa upar pontos nelas.
- Os atributos passam a ter modificadores que serão usados como base nas perícias para efeito de testes.
- As Raças do Guia de Regras ganham a atualização que foi feita no Guia Completo de Raças, porém algumas alterações nos poderes e pontos foram feitos, atualizando assim o manual principal.
- A capa foi padronizada (no mesmo estilo da do livro dos monstros).
- Todas as coisas relacionadas à história de Alchemia foram retiradas e serão passadas porsteriormente para um manual específico sobre o cenário.
- Todas as sub-classes também foram retiradas do manual principal e serão posteriormente passadas para um suplemento específico de sub-classes.
- A Raça Góblin foi retirada das raças básicas e posteriormente será uma raça alternativa
- As armaduras, escudos, elmos e manoplas agora tem um ponto específico de Índice de Proteção, a proteção atuará como uma taxa de dificuldade para o inimigo lhe causar dano, isto é, para ser mais prático no exemplo, se você tem uma armadura com proteção 2, então isso significa que seu inimigo terá -2 na jogada de habilidade contra você no turno de ataque (a dificuldade real é baseada em ele lhe causar dano e não em lhe acertar).
- Agora os equipamentos em geral tem um valor de peso específico, cada personagem pode carregar consigo até forx15 kg, respeitando o espaço na bolsa (volumes).
- Houve um balanceamento nas raças e as vantagens únicas foram re-vistas para melhor desenvolvimento do jogo.
- Houve também uma revisão nos poderes em geral para a adaptação da nova regra sobre as especialidades.

É isso aí pessoa, aproveitem!
"

Album de Madoka

Fórum dos Cavaleiros

Olha só, os Cavaleiros Insones tem um lugar para se encontrar agora!!
Me dê a mão e vamos juntos para lá!


Saudações todos!

Depois do pedido de alguns fãs do site, bem como uma forma de sair do orkut, estamos inaugurando nosso novo meio de comunicação com o mundo: o fórum dos Cavaleiros!

Ainda em fase de manutenção, estou ainda colocando algumas coisas no lugar, principalmente procurando moderadores para ajudar na manutenção dele. Como tenho mais experiência em redes sociais do que em fóruns propriamente ditos, é quase um pedido de ajuda... Mas enfim, que esse fórum sirva como mais uma tentativa de unir não só os visitantes do site, como também servir de instrumento para os jogadores e mestres do RN quanto quem quiser participar para trocar relatos, experiências, ou fazer novas amizades virtuais.

O link para o fórum está disponível na aba de menus, logo aqui em cima, ou se vocês estão lendo essa notícia via feed, logo abaixo no link:

http://cavaleirosinsones.livre-forum.com/
"

Porque troquei a 4E pelo Tormenta RPG

Eu vou postar essa matéria aqui porque gostei muito do ponto de vista do autor. Não pedi permissão, então...


Porque troquei a 4E pelo Tormenta RPG: "
Esse é um tipo de desabafo que escrevi para o ex-Paragônico Dan Ramos, que ele pensou em usar como post no Paragons. Mas como ele nunca postou, e acabou saindo do blog, resolvi publicar aqui mesmo, no ZUADA!.

Saibam então os meus motivos:

________________________________________________________________________________


Eu comprei a 4E logo que saiu em português. Estava com uma campanha de 3.5 em andamento, e curioso para conhecer as novidades da edição. Confesso que no início, queria dizer para mim mesmo que só compraria o “Livro do Jogador”, queria apenas “conhecer as regras”, me recusava a admitir que queria “migrar” para a polêmica quarta edição. Mas a atitude de um jogador meu, que é muito amigo, mas é um combista inveterado, me fez mudar de ideia. Ali, naquele “novo jogo”, não haveria nada de “combos quebrados de Talentos roubados” + “Bárbaro Frenético”. Seria um sistema equilibrado, onde todas as classes teriam as mesmas possibilidades e nenhum personagem seria autosuficiente, uma tendência que eu considero um ponto negativo, explorado pelos amantes de 3ª edição.

Mas deu tudo errado…

O jogo travou. Acredito que a culpa não tenha sido do sistema, e sim da maneira como eu e meus companheiros de mesa lidamos com ele. Sentimos que muito do que queríamos fazer nos era restringido pelo sistema, ainda mais por estarmos jogando ainda na 3ª edição de Forgotten Realms, e não termos avançado o tempo para Spell Plague, etc. A campanha acabou por falta de interesse, e até minha mudança aqui para o interior do RJ, não consegui rolar mais do que UMA aventura seguida de 4E. Fiquei tão frustrado que vendi os quatro livros que eu tinha, antes de embarcar para o Sudeste…

Quando aqui cheguei, vagando pelos Orkuts da vida em busca de um grupo, percebi que a galera não gostava muito da 4E, e então resolvi dar “downgrade” para a terceira edição. eu não tinha os livros quando jogava (era xerocado! :X), mas com a grana da venda da 4E, decidi adquirir pelo menos o “Livro do Jogador 3.5″ e o “Livro dos Monstros”. Que inocente! O ÚNICO exemplar do LdJ que achei na internet custava R$ 90,00! Fora o resto dos livros…

Então descobri o Tormenta RPG…

A princípio, fiquei com um pé atrás; Sou muito fã do Trio, lia a DB desde o primeiro número, porém nunca fui muito admirador de Tormenta, exceto por Holy Avenger. E eu tinha medo de comprar o livro e ter que obrigatoriamente jogar num cenário que não me agradava, em absoluto. Mas depois de ler umas resenhas no dot20 e no Roleplayer, me decidi: Investi parte do dinheiro da venda da 4E no Tormenta RPG. E não me arrependi.

A primeira mudança que eu senti foi o ritmo de jogo. Eu joguei por quatro domingos seguidos, algo que nunca mais havia acontecido. Não tenho certeza que isso foi por causa do sistema, mas quero acreditar que o tempo que deixamos de perder construindo personagens e preenchendo cartões de poderes tenha influenciado de alguma forma. Não, não usava Character Builder…

Outro ponto positivo foi o fato de que eu não precisava comprar mais nenhum livro; Estava tudo lá: Regras para o Mestre, monstros, itens mágicos… e a boa e velha liberdade que estava acostumado da 3ª edição, mas sem os combos mirabolantes de outrora. Me senti jogando D&Dzinho da Grow novamente, com aquela ingenuidade de quem escolhe os monstros para desafiar os jogadores por que vai ser mais divertido, e não porque “se não escolher direito, fica fácil demais…”

A minha campanha parou novamente. Mas dessa vez, não por conta do jogo, e sim por causa das férias. Pretendo reiniciá-la em breve. E quem sabe um dia, ela terá um fim. O fim que ela merece, e que meus jogadores esperam.

P.S: Nem tive tempo de pegar coisas como “Essentials”. Se tivesse, teria ficado com mais raiva ainda!


________________________________________________________________________________

E que começe a Edition Wars!

Abraços!


Filed under: RPG Tagged: 3ª Edição, D&D, Tormenta RPG "

Microlite20 - MechaRevised

Olá pessoal! Estão jogando muito?

Hoje eu trago para vocês um, digamos assim, "suplemento" para o Microlite20 chamado MechaRevised. É um arquivo pdf criado por Andrew "dominowriting" Domino (isso que é nome doido), um usuário do fórum http://www.koboldenterprises.com, que eu também faço parte (vocês já perceberam...).

MechaRevised é uma adaptação das regras do Microlite20 Purest Essence para criação e jogos com mecha, aqueles robôs que volta e meia ganham um anime novo, vide Code Geass, Gundam, Guerreiras Mágicas de Rayearth e vários outros. Logicamente, você precisa do Purest Essence para saber as regras básicas.

Já de início somos apresentados á uma pergunta crítica: seu mecha é pilotado ou independente? A escolha que você fizer, ou talvez o mestre já tenha feito, afetará todo o rumo das sessões. Todos os mechas possuem um Power Core, que pode ser traduzido livremente para Célula de Energia, um motor que move o mecha e que deve ser descrito no início do jogo: um reator nuclear em miniatura, geradores nanotecnológicos de energia, motor a gasolina, uma esfera mágica de energia etc. Cada tipo de Célula de Energia provém uma certa quantidade de Power Points (Pontos de Energia) que são usados, principalmente, durante um combate. Quanto maior o mecha mais Células de Energia ele pode comportar, aumentando o número de ações, armas e equipamento que ele pode usar em sua curta vida.

Existem 3 atributos: Chassis (estrutura física), Handling (movimento e mira) e Pilot ou Cortex (a habilidade de quem pilota ou o poder "cerebral" do mecha). Como se usa o Microlite20, todos esses atributos são gerados rolando-se 3d6 e calculando o modificador da forma de sempre, Atributo subtraído por dez e dividido por dois. As Perícias são chamadas Operative Systems (Sistemas Operativos), que são: Combat (capacidades ofensivas e defensivas), Engineering (quão bem cuidado está o mecha por seu piloto ou equipe), Sensors (sensores e processamento de informação) e Interface (quão bem os computadores do mecha podem se comunicar com outros sistemas externos).

A partir daí vêm os Slots (compartimentos para equipamentos e armas, definido pelo tamanho), Size Grade (tamanho em si), Configuration (seria a "classe" do mecha), Combat Data (regras modificadas de combate), Non-Combat Equipment (equipamentos extras, que incluem outras Células de Energia, Asas, Armadura e etc) e Armaments (as armas em si).

Um guia de regras MUITO LEGAL sobre Mechas e seus equipamentos. Está todo em inglês (em GodHand seria Saxam ^^) mas vale a pena.

Espero que tenham gostado desta rápida e sonolenta resenha. Até outra hora!

Gostou? Visite o site!

Mahou Shoujo Madoka Magika Episódios 11 e 12 (Final)

Mahou Shoujo Madoka Magika Episódios 11 e 12 (Final): "
Episódio 11 - Etapa Final
Formato: Mp4
Download
Formato: Rmvb
Download


Episódio 12 - Minha Melhor Amiga (Final)
Formato: Mp4
Download
Formato: Rmvb
Download
Fansunb Morningspeed
"

Taimanin Asagi (aka Anti-Demon Ninjas ) Live Action

Google deletou

Torrent

Madokaaaaaaaaaaaa (OP e ED no piano, mais bônus de flauta!)





We are The Vikings!

We are The Vikings!: "Paródia de 'Personal Jesus' do Depeche Mode, cantando (e contando) a 'saga' Viking!


"

Vejam o Justin Bieber sendo fuzilado!

Vejam o Justin Bieber sendo fuzilado!: "
Meu amigo Carlos me mostrou uma coisa bem interessante, como muitos de vocês devem saber, o Justin foi em cana mas o que muitos não viram é no que deu, confiram (Se você assiste CSI ou pretende assistir, já vou avisando que tem spoiler do episódio do Justin Bieber ein)

Ò_Ò todo mundo tirou uma casquinha na hora ein? Uahahahahaha
"

Ops...

Pessoal, por um pequeno erro (esse mouse está me matando!) acabei postando a linha do tempo de GodHand antes da hora.

Então, mesmo com esse "pequeno" deslize, aproveito para anunciar que postarei todo dia de maio (só até 17/05) informações sobre GodHand. Provavelmente a editora vai fazer uma trabalho mais bonito, mas quero agilizar o processo e mostrar os rascunhos até então.

Se tiverem alguma opinião, crítica ou preconceito é só comentar!

Faça o seu próprio QB!

Alchemia RPG: Livro dos Monstros: Download

Alchemia RPG: Livro dos Monstros: Download: "Olá Aventureiros!!!

Confira em primeira mão o Download do Livro dos Monstros para Alchemia RPG. Isso mesmo, faça o Download já e pegue suas armas para entrar de cabeça e encarar de frente esse incrível bestiário.



O Livro dos Monstros para Alchemia RPG contém:

- Regras para criação de Monstros e sua pontuação, assim como estratégia e comportamento das criaturas
- 52 Monstros de diferentes tipos e dificuldades, entre elas: Dificuldade Fácil, Médio, Difícil e Absurdo

O Livro dos Monstros ainda está em fase beta, então é normal encontrar erros de grafia, status ou qualquer outra coisa, por favor caso encontre algum erro nos notifique
"

Um mapinha RMXP