AVISO

A nova política de uso do Google me fodeu legal, agradeçam a ele quando virem o que aconteceu com os posts antigos.

Broken Eidolon - Capítulo 1

Uma nova história em um outro mundo.
Maeko estava perdida. A kitsune tinha recebido uma tarefa de sua atual mestra, uma senhora que mantém vivo um templo xintoísta de uma vila rural esquecida no Japão, em que deveria ir até uma pequena aldeia mais ao norte para pegar alguns ingredientes para poções e um equipamento mágico que seria feito para a nova sacerdotisa e neta desta senhora.

- Nossa, como eu sou burra! Deveria ter pedido um mapa...

A garota kitsune estava um pouco assustada com a floresta em que se encontrava, olhava para os troncos secos das árvores mortas como se fossem monstros prontos para pular nela e devorá-la de uma vez. De certa forma, isso não era mentira...

- Deve ser para lá... Ué?

No meio do caminho havia uma pequena moeda no chão, brilhando intensamente mesmo sem ter a luz do sol para alcançar aquele lugar. Ela ia se abaixar para pegar quando acaba surpreendida por uma corda que prontamente a amarra pelo braço direito. Algo que se escondia dentro da mata aparentemente inofensiva a puxa com violência, dando quase nenhum segundo para pensar em reagir. Quando deu por si, estava com ambos os braços amarrados para trás, e um enorme homem lobo a encarava.

- Olá, garotinha. - O lobo a olha, salivando. - Se perdeu, foi? Quer ajuda?

- N-não preciso de u-um monstro com-

Mal consegue terminar a frase e recebe um soco na barriga. Parece que o homem lobo não gostava de ser chamado de monstro. Depois de vomitar algumas coisas, levanta o rosto, em choque, para a criatura.

-- Ainda bem que eu já me alimentei, mas receio que a fome possa voltar a qualquer momento. - Aproxima-se do rosto dela, sorrindo. - Acho que vou te comer de outro jeito, hehehe.

Sem muita cerimônia, o homem lobo abre o kimono de Maeko, deixando seus jovens seios à mostra. Ela não tem como resistir, então deixa que ele faça o que quer; nas histórias que ouvia de algumas amigas sempre tinha alguém que resistia e terminava morto(a) quando reagia.

- Oh, bonitos e redondos, eu gosto.

O homem lobo fica de frente para ela e começa a tocar e apertar os seios, pressionando os mamilos como se fossem botões. Maeko nunca tinha experimentado tanta coisa misturada: medo, excitação, confusão. Ela só volta a si quando o homem lobo dá algumas mordidas, de leve, nos seios como um todo, parecia que estava amaciando um bife muito grande com os dentes.

- AAHH! - Ela grita de medo.

- Hohoho, está gostando, não é?

A língua do homem lobo espalha uma grande quantidade de saliva nos seios de Maeko, deixando-os praticamente ensopados; se chovesse agora não iria fazer diferença. Ele continua a mordiscar, passar os dentes e apertar algumas vezes, deixando claro que poderia arrancar numa só mordida se quisesse. Logo ele cansa e a larga no chão, ainda enrolada.

- Vamos ver se gosta disso aqui. 

Ele segura os antebraços dela com a mão direita, forçando o rosto dela no chão, enquanto usa a mão esquerda para preparar seu comprido e monstruoso membro, tirando-o de dentro da calça. Maeko consegue ver aquela coisa e desespera-se. Seus olhos se enchem de lágrimas e as pupilas encolhem.

- Não... NÃÃÃO!!

O homem lobo solta o membro e dá um soco nas costas de Maeko com a mão livre. A garota se contorce de dor, mas não consegue escapar do seu algoz. Aquela coisa que ele ia enfiar nela era tão grande que praticamente a destruiria por dentro, perfurando o útero e amassando vários orgãos caso ele colocasse tudo; e era o que pretendia fazer. O sorriso de satisfação macabra no rosto do monstro servia para jogar o coração da garota no mais profundo desespero. Ele sabia que ela não ia fugir e nem resistir...

- Vo-você vai me matar com essa coisa! Tira daqui, TIRA!

- Ha ha ha, que garotinha engraçada! Vou me divertir M-U-I-T-O quando começar a comer sua carne, ha ha ha!

A cabeça do membro é encostada nos lábios inferiores de Maeko; nem a roupa de baixo da garota o homem lobo se deu ao trabalho de tirar. Assim que ele começa a forçar a entrada, um barulho ao longe interrompe a cena. Ambos viram os rostos para o provável locar e algo incrível ocorre: a caixa torácica do homem lobo explode de dentro para fora, perfurada por vários tentáculos pontudos e negros. Os apêndices pareciam feitos de trevas e sombras pois logo tornavam a sumir e permitir que o pesado corpo do monstro caia para um lado. Maeko está confusa e perdida, ainda presa nos antebraços pelas cordas previamente usadas por ele.

- É, acho que cheguei numa hora estranha. - Diz uma voz masculina, de algum ponto dentro da floresta. - Ele era algum chegado seu?

Um homem, na verdade parecia um adolescente, sai de seu esconderijo. Trajava roupas escuras, tinha cabelo e olhos negros e sua expressão de "achei um novo brinquedo" era um tanto amedrontadora. Ele vai até Maeko que obviamente tenta fugir, mas termina tropeçando e caindo no chão. Ele se abaixa e corta as cordas com facilidade.

- Pronto, está livre. Só gostaria que me res-

Maeko não dá sequer tempo de terminar sua frase, cai pra um lado, desacordada. Ele a segura antes que tombe e machuque a cabeça.

- Argh, e quando eu achava que fazer boas ações ia servir pra algo... Bom, não tem outro jeito, vou levar ela comigo. - Aperta algo atrás de sua orelha esquerda. - Pri, terminei aqui, estou voltando com uma vítima.

A voz feminina do outro lado da linha responde com raiva.

- Uma vítima!? Você vai trazer mais uma perdida pra lá, né?! Você é maluco, burro ou tapado!?

- Calma, ela estava numa enrascada feia...

- Quero lá saber! Anda logo e vamos sair desse buraco!

- Sim, sim...

Como se obrigado, o rapaz leva Maeko no colo até o local de onde tinha saído. Uma garota loira usando roupas leves e com várias tralhas cibernéticas acopladas ao corpo aguardava a volta do rapaz, encostada numa grande nave de cor cinza, repousando após uma longa viagem. A loira vai quase que correndo até o rapaz, furiosa.

- Eu sabia, EU SABIA! Você não pode ver um maldito rabo de saia que para toda a missão, coloca nossos pescoços em cheque, só pra pegar mais uma garota!?

- Ciúme?

Ao ouvir a palavra, a loira dá um potente chute na virilha do rapaz, obrigando-o a ajoelhar-se devagar para evitar de largar Maeko no chão de uma vez, o que poderia causar algum trauma severo. Ele segura o choro da melhor forma possível.

- Você... não tem mais coração! Eu te ajudo, dou emprego, e até arranjo dinheiro pra tua "ciborficação", e é com um chute no saco que você me paga?! Caramba...

Ele levanta, a contra-gosto, vai até a nave e deixa Maeko num outro acento do cockpit. Ele também se ajeita no acento principal e liga alguns botões, preparando-se para levantar voo. A dor continua, mas não podiam perder mais tempo;

- Vamos continuar a missão: destruir a vila do norte. Assim que chegarmos, você abre fogo e eu dou cobertura, ok?

- Tá, vai logo.

E assim o trio parte. Depois desse dia, ninguém nunca mais viu ou ouviu falar (bem) de Maeko, e suas estranhas aventuras apenas começaram...

Imagens




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post urls = spam.