AVISO

A nova política de uso do Google me fodeu legal, agradeçam a ele quando virem o que aconteceu com os posts antigos.

Hello, Persona User - Parte 1



Mais um fanfic, desta vez de Persona 4. Desculpem por mais um self-insert safado, mas foi o que deu pra imaginar a essa hora da noite (1:24 AM).



- Essa droga não morre hoje!?

Já era tarde da noite e o Grupo de Reconhecimento havia saído em mais uma patrulha para vistoriar a cidade de Inaba, foco de um recente incidente bizarro. O grupo de jovens estava prosseguindo sem maiores problemas, cada um com seu pacote de salgadinhos à mão para repor as energias e se preparando para partir, quando...

- Já gastei quase tudo o que eu tinha... Não vai dar pra mat-

- Willys!

Sem que tivessem percebido, um Shadow tinha conseguido sair da barreira provisória que o Guardião do Outro Lado havia erguido. Aquilo poderia causar uma confusão inacreditável, um Shadow atacando e devorando pessoas inocentes sem nem pensar duas vezes. Os jovens o encontraram com facilidade e iniciaram uma tentativa de "contê-lo", porém, a criatura era muito mais forte que o esperado.

- Lance e Mio já morreram, agora o Willys... O que que eu faço!?

Atmo, o único jovem que restara em pé, observava a criatura. Por algum motivo ele era o único que podia usar 3 Personas diferentes, algo que não se havia visto até então. Na verdade, isso foi o que a Secretária havia lhe dito quando se conheceram; até aquele momento, ele só tinha ciência de um Persona, Onbashira, que conseguira quando estava realizando uma missão para essa mulher.

- Calma... Calma... - Falava enquanto corria para longe, tentando pensar em algo. - Eu ainda não usei Onbashira, e essa coisa aguenta qualquer coisa relacionada a elementos sagrados... Nada que eles usaram até agora funcionou... Droga!

Sem outra alternativa, ele correu para enfrentar o ser, já invocando a Arcana que lhe havia sido concedido, O Enforcado, e convocava sua Persona.

- Onbashira!

A visão de sua Persona afastava muitos Persona Users de perto, pois o rosto que exprime desespero e dor, até mesmo nos movimentos tremidos e hesitantes dela, causavam arrepios a muitos que a viam. Na verdade, poucos realmente não se importavam em estar perto de Atmo, e aqueles integrantes de seu mais recente grupo também odiavam a ideia de tê-lo por perto.

- Bufula! - Ordenava, apontando para o Shadow à sua frente.

Com um grito de dor, a garota bate com o pilar de metal negro no chão e o ar ao redor do Shadow congela instantaneamente, criando espessos cristais de gelo que ferem efetivamente o ser.

- Isso, sabia que ia conseguir! Bufula!

Mais uma vez, ele ordena à sua Persona seu ataque e ela obedece com seu familiar grito de dor. Ele nunca parou para pensar o por que dela sempre estar com essa aparência, por que sempre grita e nunca olha diretamente para ninguém, mesmo com as vendas em seus olhos. Personas podem ver com outros sentidos, mas ela não gostava de encarar os outros. O ar congela e a criatura finalmente morre com mais um amontoado de cristais de gelo que destroem seus braços e peito. Atmo se deixa cair no chão, sentado.

- Arf... droga... todos... - Ele olha para os corpos dos outros. - Droga, como vou explicar essa merda?

Meia hora depois, ele já havia escondido os corpos em um lugar próximo e pega o celular. Ele hesitava, sabia que ia receber uma bronca assustadora de seu tutor responsável. Sem outra alternativa, ele liga, apertando cada número com peso e lentidão.

- Er, alou? Alexander-sensei?

- Se está ligando a essa hora significa que se perdeu ou que fez alguma merda, não foi?

- Não... e sim... Mas não foi culpa minha.

- "Não foi culpa minha"... O que você fez? - O tom dele fica mais sério ainda, como se fosse possível.

- Sobrevivi. Um Shadow apareceu e matou os outros três, só eu fiquei vivo.

Aparentemente Alexander engasga e quase cai da cadeira, tenta se recompor e mandar quem estava com ele esperar um pouco.

- Mortos!? Explique isso direito!

- A coisa era forte, e só consegui me salvar... Olha, não tem como mandar um carro pra cá logo? Vai aparecer alguém daqui a pouco.

- Tá, TÁ! Fica quieto ai e espera a porra do carro!

A ligação é terminada. Atmo tinha conseguido fingir não estar com medo, mas assim que viu o celular desligar do nada, provavelmente por causa da bateria ruim, sentiu um misto de medo e alívio. As pessoas que mais o odiavam no momento estavam mortas, mas ele foi o único sobrevivente do massacre.

- E você, por que não me olha nos olhos?

Onbashira estava ao seu lado o tempo todo, fitando os pés dos cadáveres. Ela tentava murmurar algo, mas era impossível entender. Era parecido com um "me desculpe".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post urls = spam.