AVISO

A nova política de uso do Google me fodeu legal, agradeçam a ele quando virem o que aconteceu com os posts antigos.

Sou uma Shinigami - Capítulo 3




- Estou tão cansada...
Yuki tinha acabado de cortar a cabeça de um dos “Devoradores de Ashikabi”. Parecia um velho muito mal cuidado, que gostava de falar que ‘no seu tempo os combates tinham mais honra’ e coisas do tipo; foi o suficiente para Yuki desferir três cortes simples nas pernas e braço do velho. Enquanto ele caia no chão, pasmo, e tentava começar outro discurso infindável e vilanesco, Yuki separou-lhe a cabeça do tronco sem hesitação, sujando a roupa etérea com um pouco de sangue negro e ‘sujo’. Seu olhar de desprezo era aterrorizante.
- Vocês me mandam esses merdas e ainda esperam que eu escute o que têm a falar? – Ela dá um golpe no ar, a fim de limpar sua katana do sangue.
Outro Seirei estava à sua frente, tinha acompanhado o velho que acabara de morrer para ajudá-lo em qualquer tipo de tarefa. Naquele momento, porém, este rapaz estava caído ao chão, tremendo dos pés à cabeça, apavorado com a velocidade da garota e da aura assassina que ela emitia.
- Vo-você não é uma Shinigami, é um monstr-
Yuki estava muito irritada naquele dia, sequer deu tempo de seu inimigo se apresentar e já executara seu subordinado. Na verdade, ele ainda estava vivo, mas muito ferido com aquele golpe que tinha quebrado parte de seu Coração Branco; qualquer tipo de ferimento neste ‘orgão’ dos Ayakashi causa uma dor tremenda e leve paralisia.
- Se eu sou um monstro, o que você é? Uma vítima? – Ela se abaixa e cospe no rosto do rapaz. – Cale a boca e morra, seu merda.
Mais uma cabeça sai voando. Os corpos dos dois começam a se desfazer em fragmentos negros e são levados pelo vento, desaparecendo não muito longe dali. Um garoto sai de trás de um dos postes, estava escondido ali desde antes do início do combate, e estava assustado. Não era exatamente um garoto, já estava em seus 15 anos de idade, portanto deveríamos chamá-lo de rapaz.
- Viu tudo, Chirno? – Yuki se vira para o rapaz, desfazendo sua transformação e caminhando calmamente até ele.
Chirno era um rapaz saudável, gostava de tingir o cabelo de azul claro e trajava um conjunto de roupa azul e branco, independente de se era calça e camiseta, bermuda e blusão... se fosse azul e branco, ele usava. Sem falar de sua característica gravata vermelha. E as asas de gelo. As asas de gelo, na verdade, não eram um acessório, ou algo que ele queria ter nascido com, mas sempre estavam lá, voando como fragmentos geométricos de gelo e auxiliando em algumas situações. Também serviam para medir o quanto de Aether ele ainda tinha à sua disposição, a “energia mágica” que permitia feitos incríveis para aqueles que soubessem manipulá-la.
- Yuki-san... Isso foi bem violento... – Ele ainda tentava entender o que tinha visto, mas suas memórias estavam confusas.
- Sempre falam isso. – Ela está na frente dele, e segura a mão direita dele. – Vamos pra casa, preciso dormir um pouco.
Como se nada tivesse acontecido, Yuki arrasta Chirno para sua casa, a fim de ‘limpar o corpo das impurezas que Ayakashi trazem’.
Yuki é uma garota que vai direto ao ponto quando se trata de exterminar Ayakashi, e sempre é a última a ser escolhida caso apareça alguma missão de coletar material genético dos Ayakashi invasores ou em apenas observá-los; ela não deixa ninguém vivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post urls = spam.