AVISO

A nova política de uso do Google me fodeu legal, agradeçam a ele quando virem o que aconteceu com os posts antigos.

Clannad e o Reset Mágico


Alerta de SPOILERS: se não viu o final de Clannad, não leia o resto deste post. Colocarei minhas impressões do anime todo, primeira e segunda temporada.


Isso aqui ajuda bastante.

Um pequeno spoiler do que quero falar é este quadro acima. Ele começa bem, apresenta os personagens principais dessa epopéia toda de um jeito bem agradável e direto, mostrando como cada um é e os seus problemas iniciais. Não demora muito e "as japonices" (como alguns retardados gostam de falar) ou os exageros normais dos animes aparecem quando a Tomoyo dá uma surra de perna em uma gangue de motoqueiros e sai vitoriosa da briga.

Isso deve doer...

Depois temos as gêmeas Ryou e Kyou mostrando que existem (e eu jogaria a VN pra fazer apenas as rotas delas).

Prefiro a Kyou!

E todos os outros que vieram depois, seus problemas, vidas e resoluções. Sim, foi tudo muito legal até...

Mini-Nagisa...

...Ushio, a filha de Tomoya com Nagisa, aparecer. Claro, isso depois que Nagisa morre e Tomoya cai naquele ciclo vicioso que o pai dele tava antes, e isso me deixou animado. É como a roda da vida que te coloca na mesma posição que os teus parentes e é a partir daí que tu tem de escolher pra qual caminho vai seguir.

Acorde pra vida!

Todos os problemas se vão quando o imbecil do Tomoya acorda pra vida e percebe que tem uma filha, e tenta consertar o tempo perdido sendo um pai de verdade. Sim, ele precisou de alguns tapas verbais e emocionais pra acordar de vez, e até antes disso eu estava doido de vontade de espancá-lo eu mesmo.
Mas nada na vida dura pra sempre.

Se fufu.

E ai diagnosticam a Ushio com a mesma doença misteriosa da Nagisa: Heroine Killer 3000. Ninguém sabe o por que dessa doença não ser diagnosticada por médicos que vão lá sem equipamento, já que os pais delas preferem não ir na porcaria de um hospital ou mesmo usar o dinheiro que tem pra viajar pra outro pais e pegar senha na fila pro House; nem mesmo pedem ajuda à Kotomi, que é uma cientista e pode entrar em contato com médicos de outros países!
Era drama demais desde o começo, e algumas vezes esse drama era tão forçado que não dava pra sintonizar direito com o que acontecia. Exemplo? Nagisa.

Dango dango dango dango dango dango dango dango dango...

Eu posso contar nos dedos as vezes que os outros apareceram depois do casamento, e posso contar nos fios de cabelos da minha canela cabeluda quantas vezes flashbacks da Nagisa surgiram até então. Sério, eu fiquei aliviado com a Ushio sendo gente depois que a Nagisa capota (acho que fiquei mais feliz depois que ela não apareceu mais), e por isso me senti envolvido um pouco mais pela trama. Quer dizer, fiquei mais envolvido por causa da Ushio, que é um doce. E ai...

É tudo tão óbvio que dá nojo.

Os infelizes me vem com um "não podemos ter um final triste, apaga tudo e começa de novo!". Sim, apertaram o botão do reset no momento que Ushio morre nos braços do pai, jogam tudo praquele mundo alternativo que vemos sempre que querem nos mostrar e magia acontece!

Sim, ela mesma.

Todas as boas ações que Tomoya fez ao longo do anime voltam pra ele num milagre jogando-o de volta pro momento que Ushio nasce e Nagisa morre. Mas Nagisa não morre. Essa ficha só caiu quando vi o final do episódio 24 Extra, onde falam na sua cara, pois até então eu estava irritado com o rumo que as coisas tinham tomado. Na verdade, estou inconformado com o rumo que derão pro final da história, mesmo que tenham explicado bem em cima da hora que Tomoya podia fazer coisas mais incríveis do que o resto das pessoas daquela cidade. Resumindo: aquele final traiu a história.

É, amigos da rede Atmoland...

Enfim... Gostei do que vi, chorei aqui e ali, me conectei com alguns personagens, mas o final me fez lembrar como a indústria de entretenimento vê a audiência como ovelhas desgarradas que estão mais do que prontas para pular do precípicio caso alguém não as segure pela mão.

Eu nem joguei, mas o final faz jus ao o que acredito.

E é isso. Clannad foi uma boa jornada, mas eu devo ter esperado mais do que vi quando chegou em algum ponto. Talvez fosse por causa da minha vida pessoal que está passando por algumas turbulências que não consegui aceitar o que me foi dado.

Se tem algo a dizer, concordar ou discordar, a sessão de comentários está te esperando.

Clannad: 7/10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post urls = spam.